Meu contato com o Trello foi amor ao primeiro uso!

Tão intuitiva e rápida, com tanta flexilidade, que fiquei brincando horas até adotá-la em definitivo no meu dia a dia.

No dia 9 de a Atlassian anunciou a aquisição da Trello Inc. pela bagatela de US$ 425 milhões.

A Atlassian não é tão conhecida por pequnos usuários, mas a companhia é responsável por serviços que, ao menos no meio corporativo, são bem conhecidos, como o Bitbucket (uma espécie de concorrente do GitHub), o HipChat (serviço que rivaliza com o Slack) e o Confluence (plataforma para trabalho colaborativo).

O foco da Atlassian é ferramentas que facilitam o trabalho de equipes, sejam elas pequenas ou grandes.

A compra fecha uma lacuna que a empresa tinha para aplicativos de fechamento de tarefas: o trello facilita tanto o gerenciamento de projetos e atividades que, hoje, possui quase 20 milhões de usuários registrados.

Mas surgiu uma preocupação entre os usuários do Trllo: será que o serviço perderá a sua essência?

O CEO da Trello Michael Pryor afirmou no anúncio oficial que, na verdade, a ferramenta se tornará mais interessante do que é hoje. Isso porque, com mais dinheiro, será possível aumentar os investimentos no desenvolvimento de recursos que melhoram a experiência de uso.

Como que para reforçar esse recado, o CEO da Atlassian Jay Simons disse ao VentureBeat que nenhum dos serviços comprados pela empresa nos últimos anos sofreu mudanças radicais. O executivo disse ainda que não haverá demissões — a Trello possui cerca de 100 funcionários.

A previsão é a de que o negócio seja concluído até o final deste trimestre. A Atlassian desembolsará US$ 360 milhões em dinheiro e pagará o restante em ações.